Defunto se mexe no caixão e causa pânico em velório no Maranhão

correram com medo. | Divulgação

Um velório teve que ser interrompido após o morto, que não teve a identidade revelada, se mexer dentro do caixão no último domingo (24), no município de Paraibano, no estado do Maranhão.

O fato deixou todos que estavam no velório assustados, de acordo com relatos, algumas pessoas até correram com medo.

Morto ‘aperta mão’ da esposa no caixão e causa pânico em velório

Funerária faz bolo com ‘morto em caixão’ para comemorar aniversário. Veja o vídeo!

Segundo testemunhas, o corpo estava transpirando e em seguida mexeu dentro do caixão. Com isso, a família desconfiou que o homem ainda tinha sinais vitais, foi então que parentes resolveram chamar uma ambulância para levá-lo até um hospital. Lá foi confirmado que de fato, o homem estava morto, no entanto a família não se convenceu, mas levou o corpo de volta ao velório. O homem havia sido morto a facadas.

Um cadáver pode se mexer?

É possível que braços e pernas possam se mexer durante a rigidez cadavérica. Isso acontece entre uma e duas horas após a morte e só termina em 24 horas.

Moléculas armazenadas de energia podem ajudar no processo de contração e relaxamento dos músculos, o que é chamado de ATP. E quando morremos essas reservas de ATP se esgotam, os filamentos musculares de contração ficam permanentemente unidos.

Com isso, caso os membros estejam estendidos, pode haver uma movimentação brusca deles. Com um movimento sempre em direção ao centro do corpo. Isso pode ser influenciado por fatores como a temperatura e ambiente, e por vezes até a causa da morte.

Arrotar e soltar pum? 

Além de se mexer, cadáveres também podem arrotar e soltar pum, já que a proliferação de bactérias no corpo resulta na formação de gases.

Movimentos cadavéricos também podem ser causas de catalepsia, que se trata de um problema do sistema nervoso que diminui drasticamente os batimentos cardíacos e dá a ilusão de que a pessoa morreu.

“O prisioneiro, Gabriel, mudou seu nome para Gabriela e o Serviço Penitenciário, por ordem de um juiz, transferiu-o da prisão masculina para a prisão feminina”, disse Gacitúa.

“Isso é garantido por lei. Foi lá que ele fez contato com as detentas e engravidou uma delas.”

Segundo as autoridades, Gabriel havia sido preso por violência contra mulheres e após ter engravidado uma das detentas, um juiz decidiu libertá-lo da prisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat